Espirometria na atenção primária à saúde como uma ferramenta para o médico de família e comunidade - Relato de experiência

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Denis Conci Braga
João Augusto dos Reis Guerra
José Rafael Gómez Gonzalez
Erik Luiz Bonamigo
Karine de Oliveira

Resumo

Introdução: A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é uma patologia respiratória prevenível e tratável, sendo a espirometria obrigatória na suspeita clínica de DPOC, uma vez que avalia a presença de obstrução do fluxo aéreo e a resposta ao broncodilatador. Objetivo: Descrever o uso da espirometria, na atenção primária à saúde, em pacientes com DPOC. Métodos: Trata-se de um relato de experiência cuja amostra foi constituída por indivíduos com DPOC e que realizaram espirometria na atenção primária, pelo médico de família. Resultados: Houve predomínio do sexo masculino (68,42%, n=13). Quanto à faixa etária, a maior prevalência foi naqueles indivíduos com idade entre 70 a 79 anos (36,84%). À espirometria, 42,11% (n=8) apresentavam restrição ao fluxo muito grave e 36,84% (n=7), grave. Conclusões: Trata-se de um projeto pioneiro no Estado de Santa Catarina e espera-se que seus resultados inspirem outros profissionais a se capacitarem para a prática da espirometria ou a utilizar a telemedicina como opção, dada a melhora sobremaneira nos critérios diagnósticos e terapêuticos para os pacientes com tal patologia. No cenário desta pesquisa, houve benefício para estes pacientes, tanto na redução de custos, quanto na otimização da sua terapêutica a partir de um diagnóstico não só clínico, mas também complementar.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos
Biografia do Autor

Denis Conci Braga, Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc) e Secretaria Municipal de Saúde e Promoção Social de Água Doce – Santa Catarina.

Especialista. Doutorando em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor do curso de Medicina da Universidade Oeste de Santa Catarina (Unoesc). Especialista em Medicina de Família e Comunidade pela Associação Médica Brasileira/Sociedade Brasileira de Medicina de Família Comunidade. Médico da Estratégia de Saúde da Família Irmã Thereza Uber, Água Doce, Santa Catarina.

João Augusto dos Reis Guerra, Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc)

Médico formado pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc).

José Rafael Gómez Gonzalez, Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc)

Médico formado pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc).

Erik Luiz Bonamigo, Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc)

Graduando. Acadêmico do Curso de Medicina da Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc).

Karine de Oliveira, Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc)

Graduanda. Acadêmica do Curso de Medicina da Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc).